Fábrica de Óculos do Cacém
Av. dos Bons Amigos, nº 38 A
Cacém, junto à estação
Seg-Sáb: 10:00 às 19:30
Hora de Almoço: 13:00 às 14:30
219 180 122
Ligue-nos

Ruy de Carvalho: “Se tiverem problemas de visão, venham à Fábrica de Óculos do Cacém e do Chiado”

Há muitos motivos de orgulho para a Fábrica de Óculos do Cacém e do Chiado. Mas existe uma qualidade, em especial, que temos a certeza de que contribui tanto para que esta seja a ótica número um para quem nos visita: o facto de ser democrática. O que é evidente, por exemplo, na abertura que há para acolher pessoas de todas as faixas etárias. Desde a mais tenra criança (afinal, a Fábrica de Óculos do Cacém e do Chiado conta com uma ótica infantil com armações resistentes e que os mais pequenos adoram) até aos mais idosos.

É o caso de Ruy de Carvalho. Com 93 anos, o ator é a prova de que nunca é tarde para cuidarmos da nossa visão. “Se tiverem problemas de visão, venham a esta Fábrica. Eles tratam-nos com muito carinho. Somos muito bem tratados. Nunca tive tanto prazer em mudar de óculos, que é algo que é preciso”, garante Ruy de Carvalho.

Daí que aplauda algumas decisões tomadas pela Fábrica de Óculos do Cacém e do Chiado, como disponibilizar consultas gratuitas, o que faz com que qualquer cliente – de qualquer extrato económico e social – seja bem-vindo a esta ótica: “Acho extraordinariamente importante. As pessoas nem têm de hesitar em pensar se têm condições para uma consulta. É uma gentileza da Fábrica de Óculos”.

Além disso, Ruy de Carvalho destaca o facto de a graduação das armações acontecer em apenas 20 minutos, o que é essencial para vários tipos de pessoas, conforme enumera o ator: tanto para aqueles que conduzem, como para quem precisa de trabalhar atrás de um computador, sem esquecer, inclusive, os que têm de ler bastante, na vida profissional. “Faz muita falta ver bem”, refere Ruy de Carvalho.

Em tempos excecionais, de pandemia, o histórico artista assegura, ainda, que cada uma das medidas recomendadas pela Direção-Geral da Saúde está a ser seguida à risca. “Não falta o álcool desinfetante, não faltam as máscaras e não faltam até as luvas”, afirma.

Deixe um comentário